• STRATEGY BLOG
  • Site
  • Facebook
  • Linkedin
  • Google Plus
  • Youtube
  • Slideshare
  • Google Maps
  • Email

Fase de “Estruturação”: Estimule a Atitude




Nesse post, iniciaremos a fase de Estruturação da Metodologia Strategy©. Há dois grandes produtos que serão construídos: o Plano de Comunicação e Mobilização, com base no mapeamento dos stakeholders e o Mapeamento dos Impactos Organizacionais. Esses impactos serão oriundos do novo processo a ser implantado em comparação de como era realizado. Mas esse tema, falaremos nos próximos conteúdos da fase de estruturação.

A fase é responsável por identificar e selecionar as melhores estratégias para o projeto de gestão de mudanças.

Nessa fase, detalhamos tudo aquilo que será realizado, incluindo cronogramas, alocações de recursos envolvidos, custos, infraestrutura, etc.

(Exemplo). Clique na imagem, para ampliá-la.



Pense que na fase de Preparação você planejou todas as ações de comunicação e mobilização, com base no mapeamento dos stakeholders, e agora você precisa levantar e detalhar tudo o que irá precisar para executá-las. 

Falamos em “Estabelecer o Propósito” proporcionando a conscientização e a construção da visão da mudança e a formação da rede de patrocínio.

Agora, nessa nova fase vamos “Estimular a Atitude” dos stakeholders estruturando e executando as ações de promoção do engajamento, alinhando as necessidades e eliminando as resistências.



(Exemplo). Clique na imagem, para ampliá-la.


Vamos nos concentrar em Comunicação e Mobilização, uma vez que nos outros posts da fase de Preparação, abordamos o Plano de Trabalho e o Mapeamento dos stakeholders

Com o mapa de stakeholders pronto, precisamos iniciar as entrevistas. Estruturar quem será entrevistado, como será e o que queremos saber. O propósito da entrevista é investigar o que é sabido sobre a transição, se conhecem as mudanças, como gostariam de contribuir com o projeto de mudanças, qual a melhor forma de comunicação para as suas áreas e equipes, dentre outras. Aqui se inicia o trabalho de mobilização e comunicação com esta equipe que deverá ser continuada até o final do projeto, incluindo um período pós transição, como um suporte.



Importante que se esclareça que todo o conteúdo da entrevista será sigiloso e que o formato qualitativo será transformado em quantitativo no momento em que GMO apresentar à Gestão do Projeto o cenário encontrado na empresa, em relação à mudança.



O intuito das entrevistas é, também, de identificar perfis de agentes da mudança que atuem para o projeto como reforço na multiplicação do cenário futuro, formando assim uma rede da mudança, estabelecendo uma relação de confiança, engajamento e comprometimento. Esse tema terá um post exclusivo nas próximas publicações sobre a fase de estruturação.

Consideramos como desafios dessa fase:


(Exemplo). Clique na imagem, para ampliá-la.


O Plano de Comunicação e Mobilização se materializa com insumos oriundos das entrevistas com os stakeholders. Nesse momento se define os mais variados tipos de público-alvo identificado, as ações, formatos, mídias etc.

Finalizando nosso Post de hoje, alinhamos o entendimento da fase de estruturação e nos próximos conteúdos, discutiremos o desdobramento das atividades para o Plano de Comunicação e Mobilização assim como o Mapeamento dos Impactos Organizacionais.

Acompanhe nosso blog e vivencie uma experiência de atuação com Gestão de Mudanças Organizacionais.

E lembrem de deixar o seu comentário!

Até breve!


                                                       *Conteúdo produzido por Beatriz Stein e Vanusa Barbosa.



2 comentários:

Cláudius Jordão disse...

Mesmo transformando o resultado das entrevistas em quantitativo, o qualitativo é fundamental para estabelecer as ações de comunicação e mobilização.

Anônimo disse...

Muito bom conteúdo, Vanusa. Gostaria de sintetizar a utilização dos dois modelos da metodologia: Individual e Organizacional. Eles não funcionam independente e separadamente. Para que a empresa alcance seus objetivos organizacionais, é necessário que se potencialize as pessoas através do modelo individual. Estimule o que as pessoas têm de melhor e a contribuição para a transformação organizacional acontecerá sem limites.

Postar um comentário